A disfunção erétil (DE) é a incapacidade de alcançar ou manter uma ereção satisfatória para poder ter relações sexuais.

Ocasionalmente, todos os homens têm problemas em ter uma ereção, e tais ocorrências são consideradas normais. A disfunção erétil (DE) ocorre quando um homem

  • Nunca consegue atingir uma ereção
  • Atinge ereção brevemente, mas não o suficiente para a relação sexual
  • Atinge ereção eficaz de forma inconsistente

A DE é chamada de primária se o homem nunca conseguiu ter ou manter uma ereção.

A DE é chamada de secundária se ela ocorrer em um homem mais velho que anteriormente conseguia ter ereções.

A DE secundária é muito mais comum que a DE primária.

Causas

A maioria dos casos de DE é causada ​​por anomalias dos vasos sanguíneos ou nervos do pênis. Outras possíveis causas incluem distúrbios hormonais, distúrbios estruturais do pênis, uso de certos medicamentos e problemas psicológicos (consulte a tabela Causas frequentes e características da disfunção erétil). As causas específicas mais comuns são

  • Endurecimento das artérias (aterosclerose) que afeta as artérias do pênis
  • Diabetes mellitus
  • Complicações da cirurgia de próstata

Distúrbios nervosos

Se os nervos que enviam mensagens ao pênis estiverem danificados, a DE poderá ocorrer. Além de causar aterosclerose, o diabetes também pode afetar os nervos que irrigam o pênis.

Distúrbios nervosos menos comuns que causam a DE incluem lesão da medula espinhal, esclerose múltipla e AVC (acidente vascular cerebral). Além disso, a pressão prolongada sobre os nervos das nádegas e área genital (a chamada região selar), como pode ocorrer durante longos passeios de bicicleta, pode causar DE temporária.

Doença de Peyronie?

Na doença de Peyronie, há inflamação dentro do pênis, o que causa a formação de tecido cicatricial. Uma vez que o tecido cicatricial não se expande durante uma ereção, o pênis ereto fica curvado, fazendo com que a penetração durante a relação sexual seja difícil ou impossível. O que é a doença de Peyronie?

Alguns medicamentos, álcool e drogas ilícitas, como a cocaína e as anfetaminas, também podem causar ou contribuir para a DE.

A disfunção erétil pode ser situacional, envolvendo um determinado lugar, hora, parceira ou parceiro sexual.

Uma ereção prolongada e dolorida (priapismo) pode danificar o tecido erétil do pênis, levando à DE.

Sinais de alerta

Em homens com DE, certos sintomas e características são motivos de preocupação. Incluem

A ausência de ereções durante a noite ou logo ao acordar pela manhã

Dormência na região entre e ao redor das nádegas e área genital (chamada de região selar)

Exames

Os exames laboratoriais incluem a medição da concentração de testosterona no sangue. Se a concentração de testosterona estiver baixa, o médico mede outros hormônios.

Dependendo dos resultados do histórico e exame físico, exames de sangue também podem ser feitos para verificar a existência de diabetes não reconhecido anteriormente, distúrbios da tireoide e distúrbios lipídicos. Normalmente, esses testes fornecem ao médico informações suficientes para planejar o tratamento.

Tratamento

  • Tratamento das causas subjacentes
  • Educação e aconselhamento
  • Inibidores de fosfodiesterase por via oral
  • Às vezes, outros medicamentos, dispositivos mecânicos ou cirurgia

Qualquer doença de base é tratada e, muitas vezes, os médicos interrompem o uso de medicamentos que podem estar causando a disfunção erétil (DE), ou mudam para um medicamento diferente. No entanto, os homens devem conversar com seu médico antes de interromper o uso de qualquer medicamento.

O excesso de peso é um fator de risco para muitos distúrbios que podem causar a DE, de forma que a perda de peso pode melhorar a função erétil. O tabagismo é um fator de risco para a aterosclerose, então, parar de fumar também pode melhorar a função erétil. Parar ou diminuir o uso do álcool, se for excessivo, também pode ajudar.

Mesmo a DE causada por um distúrbio físico geralmente inclui um componente psicológico; por isso, o médico tranquiliza e dá orientações (incluindo à parceira ou parceiro sexual do homem, sempre que possível).

Medicamentos

Os principais medicamentos para a DE são inibidores de fosfodiesterase orais. Outros medicamentos incluem as prostaglandinas, que são injetadas no pênis ou inseridas na uretra. Inibidores de fosfodiesterase orais são usados ​​com muito mais frequência do que outros medicamentos porque são simples de usar e permitem espontaneidade na relação sexual. Medicamentos fitoterápicos sem receita médica são vendidos para DE, mas eles são geralmente ineficazes, contêm doses ocultas de inibidores de fosfodiesterase, ou ambos.

Alprostadil (a prostaglandina PGE1) em monoterapia ou combinado com papaverina e fentolamina pode ser injetado diretamente na lateral do pênis com uma agulha muito fina, o que provoca uma ereção adequada na maioria dos homens.

Alprostadil supositório pode ser inserido na uretra por meio de um aplicador tipo canudo. Estas terapias podem causar priapismo e dor peniana.

O medico tambem pode indicar gels anestesicos como:

  • Macho man
  • Libid gel
  • Bigtara

Cirurgia

Para alguns homens, o tratamento farmacológico não é eficaz ou aceitável. Nestes homens, pode ser feita uma cirurgia para implante de uma prótese peniana. Próteses podem ter a forma de hastes de silicone rígidas ou dispositivos operados hidraulicamente, que podem ser inflados e desinflados. Ambos envolvem os riscos da anestesia geral, infecção e mau funcionamento da prótese.

Informações essenciais para idosos: Disfunção erétil

Muitos casais mais velhos têm atividade sexual satisfatória sem ereções ou relações sexuais e podem optar por não procurar tratamento. Mesmo assim, o tratamento da DE pode ser adequado para homens mais velhos.